Início / Cidade / Balanço do trimestre: Segurança continua estável, mas roubos crescem e preocupam
Audiência pública realizada na Associação Comercial e Industrial

Balanço do trimestre: Segurança continua estável, mas roubos crescem e preocupam

Não houve homicídio durante o primeiro trimestre em São José do Rio Pardo

Na audiência pública realizada na Associação Comercial e Industrial (ACI) na quarta-feira, 10 de abril, para analisar indicadores dos primeiros 90 dias de 2019, a Polícia Militar, agora sob o comando do tenente Wellington Merino Funk, mostrou que São José do Rio Pardo continua com níveis estáveis de segurança. Não houve homicídios, e furtos em geral tiveram redução, mas os roubos à mão armada em janeiro, especialmente contra postos de combustíveis, foram acima da média. Nos dois meses seguintes, porém, houve queda.

A exemplo do que ocorrera nos primeiros três meses de 2018, nenhum homicídio aconteceu na cidade neste primeiro trimestre de 2019; roubo, mediante violência de veículos não aconteceu e furtos de carros caíram 20%; furtos em empresas ou casas tiveram redução de 25%. Os 8 roubos ocorridos em janeiro, porém, preocuparam as polícias militar e civil; junto com a guarda municipal, elas intensificaram as ações e isso não se repetiu em fevereiro e março.

“São José é uma cidade em que temos uma criminalidade controlada. Se compararmos os índices de um ano com outro, percebemos que em 2019, apesar de janeiro ter tido uma taxa de roubo um pouco alta, os outros dois meses já foram controlados e conseguimos permanecer dentro das metas do “São Paulo contra o crime”, comentou o tenente Funk, que esteve acompanhado do capitão Negrini, que comanda a polícia militar na região.

“Tanto em roubos, furtos de veículos, entre outros. Temos taxa zero em homicídios (nos primeiros 90 dias de 2019) e São José foi considerada a cidade mais segura do estado de São Paulo em 2017. Acredito que esteja tudo caminhando para mantermos esse título. Estamos bem perto do desejável”, prosseguiu.

Funk disse ainda que na área total do 24º batalhão, que abrange mais cidades, houve uma queda em homicídios, que indica, na opinião dele, que a criminalidade vem atuando cada vez menos. Houve, no entanto, um leve aumento no número de roubos nesses municípios próximos a São José.

Segundo o tenente, a sensação de segurança pública deve ser provida aos munícipes e é o papel fundamental da polícia: “A partir do momento que o cidadão de bem vê o policial em certo local, ele tem uma sensação de segurança. Ele sabe que ali algum crime não irá ocorrer, ou se ocorrer, o policial irá tomar as devidas providências”.

Dados

Homicídio:  A exemplo do primeiro trimestre de 2018, nos primeiros três meses de 2019 não ocorreu nenhum. “E é algo muito atípico, porque em 90 dias não ocorrer nenhum crime grave tem que ser enaltecido. Em 2019 conseguimos manter esse número em zero. Já foram 100 dias no ano e mantivemos em zero”, comemora Funk.

Furtos: No primeiro trimestre de 2019 houve uma queda de cerca de 25%. Em 2018 foram 149 no total. “Tivemos um pequeno pico no mês de fevereiro de 2019, mas tudo foi controlado e fechamos o primeiro trimestre com 120”, afirma.

Roubo (com uso de arma ou violência): É o indicador criminal que mais preocupa a polícia.  “Em janeiro tivemos um pico muito alto que foge da normalidade do pelotão aqui de São José do Rio Pardo, tivemos 8 roubos. O primeiro trimestre fechamos próximo da nossa meta, a meta era 10 e conseguimos fechar em 11. Ou seja, nos dois meses seguintes ocorreram apenas três roubos na cidade inteira”, explica. Pelos dados da própria polícia, a maior parte dos roubos à mão armada aconteceu contra postos de combustíveis da cidade.

Furto de veículo–  No primeiro trimestre a taxa foi reduzida em 20% das ocorrências. “Tivemos um número de meta de 17 e ocorreram apenas 11. Esse trabalho é realizado graças à polícia civil, guarda municipal e polícia militar, que fazem todo o esquema de segurança da cidade”.

Roubo de veículo (mediante violência ou arma)- “A nossa meta no primeiro trimestre era de zero, tinha que ser perfeito. Conseguimos manter em zero. Bater a meta para nós foi muito satisfatório”, finaliza o tenente, que concedeu entrevista a Luis Henrique Tobias.

Confira também

Homem manteve esposa em cárcere privado em Poços de Caldas

Um vendedor de 38 anos e uma vendedora de 36, foram presos no fim da ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *