terça-feira , 20 agosto 2019
Início / Cidade / Anguillara, na Itália: a origem dos Bolsonaros

Anguillara, na Itália: a origem dos Bolsonaros

Anguillara, na Itália: a origem dos Bolsonaros

Jair Bolsonaro é filho de Percy Geraldo Bolzonaro e descendente de italianos

 

Logo após o primeiro turno, quando o candidato Jair Bolsonaro (PSL) obteve 46% dos votos válidos, começou uma intensa movimentação nos arquivos e registros paroquiais de Anguillara e San Martino di Vinezze, municípios-irmãos separados pelo extenso rio Ádige. Neles ainda vivem algumas dezenas de Bolzonaro – com z, em sua forma original em italiano.

Foi na primeira localidade que Luigi Polo, o prefeito, um obcecado com a história local, encontrou os registros que comprovavam: o então presidenciável brasileiro tem sua origem em Anguillara. Foi ali que nasceu seu bisavô Vittorio Bolzonaro, que emigrou para o Brasil em abril de 1888, aos dez anos, na companhia do pai, da mãe e de outros dois irmãos. Semanas depois do embarque em Gênova, a família chegou ao porto de Santos, no Estado de São Paulo, onde cresceu e mantém raízes ainda hoje.

Angelo, o filho de Vittorio nascido no Brasil anos mais tarde, casou-se com uma brasileira descendente de alemães, e em 1927 o casal teve Percy Geraldo. Vinte e oito anos depois, nascia o terceiro dos seis filhos de Percy, Jair Messias Bolsonaro, batizado com o nome de um famoso jogador do Palmeiras (time do coração do pai) na década de 1950.As urnas acabaram depois consagrando Jair Bolsonaro como o 38º presidente da história brasileira.

Eduardo Bolsonaro, um dos filhos, foi reeleito deputado federal com a maior votação da história. Flávio, seu irmão, deputado estadual pelo Rio de Janeiro até agora, foi eleito para o Senado. Carlos, outro filho do capitão e vereador do Rio, não se candidatou, mas foi um dos coordenadores da campanha do pai.

Origem modesta

Na árvore genealógica da família de origens modestas, dedicada no passado à agricultura e ao comércio, trata-se de um feito e tanto: jamais algum dos Bolzonaro – abrasileirado conforme a pronúncia do dialeto do Vêneto, que pronuncia o som do S no lugar do Z – chegou tão longe.

O único inconveniente, para os desconhecidos parentes italianos, é a posição política do descendente brasileiro: o discurso agressivo e considerado autoritário, ainda uma novidade para a maioria deles, gera perplexidade.

referentes a Vittorio Bolzonaro, que emigrou para o Brasil em 1888, aos dez anos

O primeiro Bolzonaro a emigrar para a América do Sul, segundo os registros disponíveis em Anguillara, foi exatamente o ramo do qual descende o capitão reformado do Exército. Vittorio, o bisavô do brasileiro, tinha dez anos quando deixou a Itália, à época imersa na pobreza.

oto) e San Martino di Venezze têm ambiente predominantemente rural

As guerras que agitaram a Europa na primeira metade do século passado causaram baixas na família Bolzonaro – segundo um dicionário com as origens dos sobrenomes do Vêneto, o nome deriva de “bolzon”, que significa dardo, flecha.

No arquivo de Anguillara consta que morreu em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, num hospital militar de Senigália, cidade na costa italiana ao sul do Vêneto, Luigi Bolzonaro, um parente de outra parte da família. Ele integrou o Exército italiano aliado do nazismo. Décadas antes, durante a Primeira Guerra Mundial (1914-18), a vítima foi Diego Bolzonaro – esse conflito deixou muito mais mortos na região do Vêneto que a guerra seguinte.a família pode se tornar presidente no Brasil

O atual governador da região do Vêneto, Luca Zaia, da Liga (antes chamada de Liga Norte), partido de extrema-direita italiano, hoje um dos mais populares no país, fez uma festa quando da vitória de Jair Bolsonaro – afinal, trata-se de um filho ilustre do Vêneto, ainda que muito distante.

Zaia é aliado de Matteo Salvini, outro representante da Liga e homem forte do governo italiano, que já fez declarações públicas de apoio a Bolsonaro.

(Fonte: BBC de Londres)

Jair Bolsonaro toma posse como 38º presidente republicano do Brasil

Confira também

Na Câmara, presidente da Comderp diz que a dívida é de R$ 2 milhões

Eduardo Malveiro Pereira Leite, diretor presidente, acredita que ainda há caminhos de recuperação A Comderp …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *