segunda-feira , 21 junho 2021
Início / Cidade / Médico alerta para a chegada da terceira onda da Covid-19
Marcelo Galotti, infectologista

Médico alerta para a chegada da terceira onda da Covid-19

Baixa procura pela segunda dose da vacina tem causado preocupação

O Brasil registrou 2.082 mortes por Covid-19 nas última quinta-feira (3), totalizando 469.784 óbitos desde o início da pandemia. A média móvel de mortes nos últimos 7 dias chegou a 1.862. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -5% e indica tendência de estabilidade nos óbitos decorrentes do vírus. Em São José do Rio Pardo, até o fechamento da edição, 21 pacientes estavam internados no hospital, sendo 9 em UTI. O município está com 121 mortes confirmadas e três óbitos suspeitos. Para fazer um balanço sobre o cenário pandêmico do país e da cidade, o infectologista Marcelo Galotti foi o entrevistado de sexta-feira (4), do ‘Jornal do Meio Dia’.


Terceira onda

De acordo com o médico, os epidemiologistas estimam que o país está muito próximo de uma terceira onda. Em setembro, a previsão é de que o Brasil terá em torno de 700 mil casos e um aumento de mortalidade, o que torna a situação do país extremamente preocupante.


“Quando é feito o acompanhamento de uma pandemia, os epidemiologistas marcam diariamente o número de casos, de mortes e etc. A pandemia começou no início de 2020, e em julho e agosto, atingiu seu pico. A partir daí, ela desceu rapidamente, e em novembro tínhamos poucos casos. Isso caracteriza uma onda, surge, atinge o pico e a curva desce. Com as confraternizações de dezembro e do Ano Novo, acabou desencadeando uma segunda onda, que foi mantida pelo Carnaval, Páscoa e Dia das Mães. O que está acontecendo é que a segunda onda está demorando para descer, está subindo e já temos previsão de uma terceira onda. Eu particularmente acredito que ainda estamos vivendo a segunda onda, e que estamos passando pelo segundo pico”, comentou.

Vacinação em baixa escala

O Brasil administrou 70,8 milhões de doses de vacina contra a Covid-19. Dentro desse montante, 22 milhões de pessoas receberam a imunização completa, e o restante recebeu apenas a primeira dose da vacina. “Se fizermos um estudo, desses quatro meses e meio, perceberemos que os grupos prioritários só irão terminar a vacinação ano que vem. É fundamental que se dobre o número médio diário da vacinação. Nós nunca passamos de 750 mil doses por dia. É preciso que seja 1,5 milhão. A FioCruz anunciou que ao persistir essa velocidade, levaremos 830 dias para vacinar a população brasileira, ou seja, só daqui dois anos”, relatou Marcelo.

Baixa adesão pela 2ª dose

Atualmente, o país oferece três marcas de vacinas diferentes: AstraZeneca/Oxford, CoronaVac e a Pfizer/Biontech. “A que mais causa efeito colateral, é a AstraZeneca. Quando foi feita, tivemos no dia seguinte um índice de abstenção bastante importante devido aos efeitos colaterais. Entretanto é importante ressaltar que não causa nenhum efeito colateral grave, a pessoa pode apresentar dor muscular, fadiga, dor de cabeça e diarreia. Isso está ligado ao funcionamento do sistema imune, o que é um bom dado, significa que ele está trabalhando”, afirmou.
De acordo com o infectologista, a falta de adesão de idosos para tomar a segunda dose da vacina está grande, e o medo da reação pode ser uma das principais causas que contribui para que eles não completem o processo vacinal. “Em relação a segunda dose, podem aparecer efeitos colaterais, mas em geral não aparecem, e quando sim, são menos intensos do que da primeira vez. Embora em poucos casos, pode ser igual ou pior”, relato.

Estudo piloto em Serrana

O estudo referente a eficácia da CoronaVac, testada em massa na cidade de Serana, próximo a Ribeirão Preto, já está concluído. “Quando começaram a ser feitos, no início da pandemia, na população como um todo, eles apresentaram um alto índice de positividade, o que chamou a atenção. É uma cidade de 30 a 40 mil habitantes, que teve a vacinação de 27 mil pessoas, o que atingiu todas as pessoas que deveriam ser vacinadas. A Sinovac, que é a dona da CoronaVac junto com o Butantan, tinha um número de doses para estudo e ofereceu 60 mil doses para que ele fosse feito. A vacina teve 80% de eficácia geral, 86% contra Covid grave, 90% contra internações graves com morte. Foi um resultado muito interessante. Quando conseguimos fazer estudos, conseguimos obter níveis maiores do que quando ela foi registrada pela Anvisa”, garantiu Marcelo.
O infectologista lembrou que atualmente um estudo está sendo realizado utilizando a AstraZeneca, na cidade de Botucatu, incluindo dados que não foram pesquisados em Serrana.

Síndrome pós-Covid pode levar a óbito

Entre mutações do vírus, casos de reinfecção e possíveis sequelas, cientistas descobriram e ainda estão estudando, o que chamam de Síndrome Aguda pós-Covid. Dr. Marcelo explicou sobre a situação.
“Se analisarmos 100 indivíduos, 85 deles que pegarem Covid não vão ter sintomas, ou sentirão pouca coisa. Já 15 pessoas terão a doença sintomática bem estabelecida, metade será internada e terá alta e a outra metade precisará de UTI – entre elas, de 3% a 4% morrem. Desses casos que tiveram Covid bem documentado por um caso clínico, medicamentos, exames e etc., surgiu uma situação que chamamos de epidemia invisível. De cada 5 indivíduos que se recuperam da Covid, 4 (80%) voltam a apresentar sinais da doença. A revista Nature, que é bem conceituada, fez um trabalho para entender isso, e conseguiu elencar 50 sinais e sintomas que esses 80% das pessoas têm, com 10 deles mais frequentes. Entre eles: fadiga, falta de ar, dor torácica, cefaleia, perda de memória, de raciocínio, depressão, perda de olfato, entre outros. Infelizmente 17% dessas pessoas precisam ser internadas, e 7% acabam morrendo”, pontuou.

Febre viral trombótica

Alguns cientistas estão se mobilizando para conseguir alterar a nomenclatura Covid-19. Marcelo explicou o motivo.
“A Covid tem uma fase infecciosa inicial, depois passa por uma fase em que acomete vários aparelhos, como o pulmão e rins, por exemplo. Isso leva os pesquisadores a entender que ela é muito mais que uma doença infecciosa, ela tem laços vasculares, da pneumologia e da hematologia, então sugeriram o nome de febre viral trombótica”, contou.

Anticorpo monoclonal

A Anvisa aprovou recentemente o uso de dois anticorpos monoclonais – casirivimabe e imdevimabe – para o tratamento de Covid-19. Eles são produzidos em laboratório e são utilizados na terapia de algumas doenças, como alguns tipos de câncer. “O anticorpo monoclonal é semelhante ao natural, que deve ser administrado na fase inicial da doença, antes da internação e só pode ser de uso hospitalar. Se o paciente fizer uso dele, pode diminuir em 80% a chance da doença evoluir com gravidade”, completou.

Santa Casa

“Em maio tivemos 106 internações e 32 óbitos. Embora a situação na Santa Casa esteja controlada, e isso tem muito a ver com a infraestrutura que a administração está proporcionando e a qualidade dos profissionais que agora tem experiência com a Covid, eles estão trabalhando muito e com um alto risco”, encerrou.

Confira também

Com falta de vacinas, estudo clínico avalia eficácia de meia dose da AstraZeneca

Pessoas com neuropatias crônicas foram inseridas no grupo prioritário de vacinação O Brasil atingiu 500 mil …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *