Início / Cidade / Bebidas e tráfico de drogas no Epidauro

Bebidas e tráfico de drogas no Epidauro

Bebidas e tráfico de drogas no Epidauro

Professora denuncia os problemas na Câmara e vereadores pedem providências

 

No início da 36ª sessão ordinária da Câmara Municipal, realizada terça-feira, dia 24, ocupou a Tribuna Livre a professora Ana Paula Pereira, da Escola Estadual Euclides da Cunha. Ela foi ali para denunciar a venda de bebidas alcoólicas no entorno da escola e o tráfico de drogas no Epidauro.

“Todos os estabelecimentos que ali se encontram fazem venda de bebida alcoólica”, assegurou, ressalvando, porém, que essas vendas, até onde ela sabe, não ocorrem em relação aos menores de idade por conta do cuidado dos proprietários com o assunto.

“E o Epidauro se tornou um ponto de tráfico de drogas abertamente, desde as 7 horas da manhã até o final do período noturno da nossa escola”, lamentou a professora. “O uso de entorpecentes (no Epidauro) é aberto, assim como também a venda”.

Ela trabalha no período da manhã e chega às 7 horas, visualizando diariamente alunos do Euclides e de outras escolas próximas fumando entorpecentes e trocando dinheiro por drogas. “O Epidauro ter-se tornando um ponto de drogas prejudica imensamente a gente, como comunidade escolar”, lamentou. “E não temos nenhum tipo de atitude que possa ser feito em relação a isso”.

Os traficantes, segundo ela, se escondem atrás dos estabelecimentos comerciais situados em frente ao Euclides “para aliciar alunos nossos, assim como para vender entorpecentes”.

Ana Paula repetiu que os donos desses estabelecimentos são trabalhadores e estão exercendo ali suas ocupações de forma correta, mas o entorno de suas instalações acaba servindo de esconderijo desses traficantes.

Outro detalhe citado por ela é que, no período vespertino, quando alunos com idades entre 12 e 14 chegam para as aulas do Ensino Fundamental II, a chegada deles às imediações da escola ocorre por volta das 11 horas. “Então o acesso deles ao Epidauro e o contato com essas pessoas nas quais não podemos confiar é imenso”, mencionou. “Os nossos alunos estão vulneráveis”.

 

Vereadores

Alguns vereadores, como Zirdão, fizeram uso da palavra sobre o assunto e pediram providências. Zirdão disse que é testemunha ocular desses problemas mencionados pela professora e que há dias em que, a partir das 06h30, já há traficantes de plantão no Epidauro e em frente a escola para esperar as vítimas.

Outro vereador, Rafael Kocian diz ter ido ao Euclides no dia 10 de abril deste ano e, após se inteirar desses fatos e da legislação sobre o assunto, enviou requerimento à polícia militar pedindo informações sobre a ronda escolar. Obteve como resposta que a PM está com dificuldade de efetivo, mas que, dentro das possibilidades, há patrulhamento externo nas escolas.

Lembrou que há um decreto estadual, de número 28.643, de 1988, que no artigo 3º prevê o perímetro escolar de segurança. Esse decreto proíbe a venda, nas imediações das escolas, de bebidas com qualquer teor alcoólico. O vereador diz ter questionado a Prefeitura para saber o que está sendo feito em relação a este decreto e ela teria empurrado o assunto de volta à Câmara.

Em seguida ele diz ter feito uma indicação à Prefeitura sugerindo que, nos horários de entrada e saída dos alunos na escola Euclides da Cunha, sejam feitas ações de vigilância (pela guarda municipal). Cópias desta indicação foram enviadas a alguns órgãos locais, incluindo o Ministério Público.

 

Cópias enviadas

Ficou decidido no final da Tribuna Livre daquela terça-feira, 24, que uma cópia do pronunciamento de Ana Paula Pereira, com suas denúncias, assim como do pronunciamento dos vereadores feito após isso, seja enviado à Secretaria de Estado da Segurança Pública, à comissão de deputados do setor de segurança da Assembleia Legislativa Estadual e ao Ministério Público Estadual.

A praça do Epidauro virou, há anos, local de tráfico de drogas, afetando os alunos

 

Membros da CEI fazem primeira reunião

Antes do início da 36ª sessão ordinária no dia 23, foi realizada a primeira reunião referente à Comissão Especial de Inquérito (CEI).

A CEI, como já foi divulgado, foi instaurada na 34ª Sessão Ordinária e visa apurar possíveis irregularidades na prestação de serviços oftalmológicos pelo Instituto Christovam Vasconcellos Ltda., de propriedade dos filhos do prefeito mnicipal, e pelo Centro Especializado Oftalmo e Odonto S/C LTDA (nome fantasia: Clínica de Olhos Dr. Ernani Christovam Vasconcellos), de propriedade do prefeito municipal e familiares (esposa e filhos).

Participaram da reunião os membros da comissão: vereadores Itamar da Silva, Luís Henrique Artioli Tobias, Pedro Ernesto Merli Giantomassi, Rafael Castro Kocian e Sidnei Marin Morgan, e os servidores Nelson Crispim Silveira Nesio (Procurador Jurídico) e Luciana Callegari Marques dos Santos Perussi (Secretária Legislativa).

Integrantes da comissão estiveram reunidos para iniciar o trabalho de apuração dos fatos

 

 

 

 

Confira também

Olimpíada Brasileira de Robótica: Rio-pardenses se classificam para etapa estadual

Os alunos da Super Genius Makers, escola particular de robótica em São José do Rio ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *