sexta-feira , 14 agosto 2020
Início / Brasil & Mundo / 834 presos fugiram em rebeliões em SP e 517 foram recapturados após Justiça suspender saída por causa de coronavírus
Detentos fugiram e incendiaram objetos ( Crédito: Folha de São Paulo)

834 presos fugiram em rebeliões em SP e 517 foram recapturados após Justiça suspender saída por causa de coronavírus

Pelo menos 834 presos fugiram de quatro unidades prisionais do estado de São Paulo durante rebeliões, na segunda-feira (16), contra decisão da Justiça em suspender a saída temporária de mais de 34 mil detentos para evitar risco de contágio pelo coronavírus. Um quinto presídio teve princípio de rebelião, mas não fuga (veja abaixo quais são os presídios e a situação de cada um deles).

Até as 8h55 desta terça-feira (17), 517 presos tinham sido recapturados pela Polícia Militar (PM), segundo a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP). Outros fugitivos são procurados. 

Os dados foram divulgados nesta manhã pela Secretaria da Administração Penitenciária. O número de presos que fugiram deve aumentar, no entanto, já que a pasta ainda contabilizada o total de fugitivos.

Todos os presos que participaram das fugas e rebeliões são do regime semiaberto em unidades nas seguintes cidades:

  • Mongaguá: 577 detentos fugiram e 172 haviam sido recapturados até a manhã desta terça
  • Porto Feliz: total de fugitivos recapturados não foi divulgado
  • Tremembé: 82 presos recapturados
  • Mirandópolis: houve incêndio com feridos, mas sem fuga
  • Sumaré: quatro presos fugiram e foram recapturados

Nesta terça-feira (17) estava prevista a saída temporária deles para ficarem com suas famílias. Os fugitivos, que já trabalham durante o dia e retornavam à noite para os presídios, voltariam às suas unidades após sete dias.

Diante do aumento do número de casos de coronavírus, a SAP pediu à Justiça que essa saída fosse barrada para evitar que os presos saíssem e voltassem infectados, contaminando assim outros detentos.

No Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Mongaguá, no litoral paulista, 577 presos fugiram durante a rebelião e 172 foram recapturados. Nove agentes penitenciários foram mantidos reféns, mas todos foram liberados sem ferimentos pelos detentos. Nenhum preso ficou ferido.

Parentes dos presos disseram à reportagem que não há água, que a comida está estragada e que há percevejos no local. Os detentos reclamam da superlotação. A capacidade do CPP é de 1.700 detentos, mas tem cerca de 2.800.

Em Porto Feliz, interior paulista, 178 presos que fugiram do Centro de Progressão Penitenciária durante a rebelião foram recapturados. A SAP não divulgou o número total de fugas nesta unidade. Segundo a pasta, não há informações de reféns e feridos.

Durante a fuga, detentos colocaram fogo num canavial próximo a unidade prisional. Outros incendiaram colchões e danificaram a unidade. Há relatos de bombas e tiros usados por policiais e agentes prisionais para conter o tumulto. Parentes dos presos foram ao local em busca de informações. O CPP abrigava quase 2 mil presos do regime semi aberto.

Em Tremembé, interior de São Paulo, 82 presos que fugiram do presídio Doutor Edgar Magalhães Noronha, conhecido como Pemano, durante a rebelião, foram recapturados. A SAP não informou o total de fugas nesta unidade. A pasta informou que não houve reféns e nem feridos no presídio.

Na Penitenciária de Mirandópolis, interior paulista, não teve fuga, segundo a SAP. Apesar disso, nove detentos ficaram feridos durante a rebelião, sendo dois deles em estado grave por briga interna entre os presos. Não há registro de agente penitenciário ferido ou mantido refém.

Os presos queimaram colchões durante a rebelião.

A SAP não considerou o que ocorreu no Centro de Ressocialização (CR) de Sumaré como uma rebelião. De acordo com a pasta o que teve lá foi um caso pontual de uma agente penitenciário que foi mantido refém, mas depois foi liberado pelos presos. Apesar disso, quatro detentos fugiram na confusão, mas foram recapturados à noite.

O local tem 218 presos em regime semiaberto. A capacidade é para 223 pessoas.

Fonte: G1

Confira também

João Doria testa positivo para a Covid-19

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta quarta-feira (12) que testou positivo para a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *