Início / Cidade / MP deve investigar preço dos combustíveis

MP deve investigar preço dos combustíveis

MP deve investigar preço dos combustíveis

Matéria da Gazeta repercute na Câmara Municipal e vereadores enviam representação

 

Todos os vereadores da Câmara Municipal de São José do Rio Pardo assinaram na noite de terça-feira, 21 de agosto, uma representação que foi entregue ao Ministério Público no dia seguinte. Eles pedem providências contra o preço abusivo dos combustíveis – etanol e gasolina – no município.

“Nós percebemos, através de uma reportagem da Gazeta do Rio Pardo, que os preços dos combustíveis na região estão muito mais baratos que em São José do Rio Pardo”, confirmou o vereador Rafael Kocian.  “Chega a 70 centavos de diferença no etanol e na gasolina. Não é razoável uma diferença tão gritante assim para cidades tão próximas, como Mococa e São João da Boa Vista”.

Ele reiterou que a representação foi encaminhada ao Ministério Público para que tome as providências cabíveis. “Outro ponto que nos chamou muito atenção é que a variação dos preços aqui é muito pequena de um posto para o outro, enquanto em outros municípios há diferenças de 30 a 40 centavos por litro. Assim a gente pede que o Ministério Público investigue essas atividades privadas e verifique se está tendo preço abusivo ou não”.

Kocian disse acreditar que o Ministério Público vá pedir não apenas explicações dos donos ou responsáveis pelos postos na cidade, como também cópias das Notas Fiscais dos combustíveis que eles compram para revender. Lembrou também que, na Greve dos Caminhoneiros, a Câmara entrou com solicitação junto ao Ministério Público no sentido de averiguar uma rede de postos que aumentou excessivamente seus preços naquele período em que etanol e gasolina faltavam, sendo que todos os vereadores assinaram o documento. Uma Ação Civil Pública foi então instaurada e essa rede responde por isso até hoje.

O vereador afirmou, por fim, esperar que o Ministério Público, também neste caso dos preços atuais, instaure, se necessário, outra Ação Civil Pública. “Este é um clamor da nossa população e nós, vereadores, entramos com este pedido justamente pela quantidade excessiva de pessoas que trouxeram até nós reclamações do preço do combustível”, concluiu.

Salário dos comissionados

O vereador e líder do prefeito na Câmara, Rubens Lobato Pinheiro Neto, destacou como ponto importante da última reunião ordinária, ocorrida dia 21, o projeto do Executivo que readequará a lei municipal sobre benefícios salariais de servidores comissionais à lei estadual. Com isso, os servidores municipais somente incorporarão benefício salarial na proporção de 1/10 por ano a partir de cinco anos de efetivo exercício do cargo.

“Isso adequou essa questão à constituição estadual e a gente acredita que agora essa denúncia, mais uma que foi feita no Ministério Público, seja arquivada. Isso garante para o funcionalismo público essa incorporação, que há muito tempo já era existente”, ponderou Rubinho.

Aposentados

O vereador Luis Henrique Artioli Tobias, por outro lado, disse que apoiará qualquer projeto que a Prefeitura Municipal envie ao Legislativo para compensar aos aposentados a perda do tíquete alimentação. Disse aguardar que o Executivo consiga elaborar um projeto constitucional que supra essa carência.

 

 

Comerciante propõe buzinaço contra os preços

O comerciante Leandro Teixeira, dono de uma Auto Elétrica, em São José do Rio Pardo, postou esta semana na internet um vídeo em que ele convoca voluntários rio-pardenses a fazerem uma passeata ou mesmo um buzinaço pela cidade contra os preços dos combustíveis atualmente praticados aqui.

“Resolvi fazer este vídeo, mas a primeira coisa que queria dizer é que não sou político, não me envolvo com política, não gosto de política. Eu só estão fazendo este vídeo porque vão tantas pessoas na minha oficina e comentam: ‘Eu abasteci em Mococa e o álcool é 1 e tanto; eu abasteci em São João e o álcool é tanto’. E ontem eu estive em São José do Rio Preto e paguei o álcool lá, num posto BR, 1 real e 89 centavos. A diferença de São José para outras cidades da região tá dando 30 por cento a mais”, afirmou no início de seu vídeo.

Leandro disse que gasta em torno de um tanque de combustível por semana em seu carro, cerca de R$ 130, totalizando no final do mês R$ 520 por mês. “Trinta por cento em cima desse valor, é muito dinheiro”, protestou. “Então acho que a gente devia fazer alguma coisa porque só ficar reclamando, falando isso ou falando aquilo, não muda nada. Acho que a gente tinha que organizar, fazer certinho. Estou pedindo ajuda e se alguém puder me ajudar a fazer isso, a gente organiza um buzinaço, uma passeata, chama a EPTV”.

O comerciante fala em conseguir apoio de alguma autoridade que averigue o que está acontecendo nos postos. Admitiu que os donos dos postos de combustíveis em São José do Rio Pardo precisam, sim, ganhar dinheiro, “mas eu acho que está um absurdo, tão ganhando demais”. Para Leandro “eles se uniram e decidiram colocar um preço que não compete com a região nossa e com tudo o que a gente vive aqui”.

No final de seu vídeo ele pede de novo a ajuda de interessados em apoiá-lo nesse intento de protestar contra os preços dos combustíveis em São José. “Eu dou a minha cara a tapa, não tem problema não, pois está me prejudicando, prejudicando o meu bolso e o seu também”. Ele conclamou a todos que visualizarem seu vídeo a marcarem um dia desta semana para organizarem tudo de forma correta e se prontificou em ir à polícia para se certificar de que tudo ocorra de maneira ordeira. “Vamos fazer uma carreata, um buzinaço e manifestação contra esse preço de combustível absurdo”, concluiu.

O comerciante Leandro Teixeira está mobilizando pessoas para protestar contra o preços dos combustíveis

 

 

 

 

 

 

Confira também

Papai Noel na Praça XV

Papai Noel na Praça XV O DEC promoveu na noite de sábado (8-12-2018) a chegada ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *