quinta-feira , 28 Maio 2020
Início / Meio Ambiente / Onças-pardas vêm sendo monitoradas na região
Já com uma coleira no pescoço para monitoramento à distância, essa onça integra o projeto

Onças-pardas vêm sendo monitoradas na região

A Gazeta divulgou, dois meses atrás, que a AES Tietê, em parceria com a OSCIP Instituto Pró-Carnívoros e o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (CENAP) do ICMBio/MMA, continua desenvolvendo o projeto Lobos do Pardo, tendo inclusive capturado vários lobos-guarás nas proximidades das represas existentes em São José do Rio Pardo, Mococa e Caconde. Além deles, as empresas estão monitorando também onças-pardas.

As onças-pardas estão igualmente em extinção e são mais comumente capturadas (e soltas depois da colocação de GPS) em outras regiões do estado de São Paulo, sempre nas proximidades dos reservatórios. Gazeta consultou esta semana a assessoria de imprensa da AES Tietê para saber se, a exemplo dos lobos, as onças também haviam sido capturadas aqui na região e a resposta foi afirmativa. A quantidade de onças, porém, e os lugares em que foram localizadas e capturadas, a assessoria não soube informar.

O projeto Pardas do Tietê teve início em 2013 na área de entorno da Usina Hidrelétrica de Promissão, quando a AES Tietê identificou, por meio de imagens de suas câmeras de segurança, a presença de onças-pardas naquela região. Por se tratar de uma espécie com importante função ecológica, aliada à sua necessidade de grandes áreas e a existência de uma base estável de presas, a presença de onças-pardas geralmente indica que o ambiente ainda oferece boas condições que permitem a sua sobrevivência, assim como a de espécies das quais as onças se alimentam.

Entre 2014 e 2016, o projeto monitorou quatro onças-pardas, dois machos e duas fêmeas. Os animais foram encoleirados com dispositivos GPS com comunicação com satélites, o que permite aos pesquisadores monitorar as onças de forma intensiva e contínua, independentemente da hora do dia ou das condições climáticas. Atualmente em sua segunda fase, iniciada em 2018, o projeto estendeu a área de estudo para o entorno de outras duas usinas hidrelétricas, Ibitinga e Barra Bonita, e já capturou oito novas onças, sete machos e uma fêmea. Somente em 2019, foram capturados cinco animais. As informações levantadas sobre as espécies e seus hábitos funcionarão como ferramentas de conservação do meio ambiente. Tanto onças como lobos são encontrados no entorno das usinas hidrelétricas da AES Tietê. Os estudos incluem o monitoramento da movimentação dos animais, além de questões relacionadas aos seus hábitos alimentares e sua saúde. Os animais são acompanhados durante um longo período pelos especialistas e pela equipe do departamento de Meio Ambiente da empresa.

Confira também

“Cloroquina me ajudou na recuperação”, diz primeiro rio-pardense que passou pela Covid

Núncio Bucci Neto (Tuta) ficou 6 dias internado e a esposa Luciana ficou 9 O …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *