sexta-feira , 27 novembro 2020
Início / Cidade / Silvio Torres faz balanço da carreira e analisa governos
Ex-deputado federal, Silvio Torres, faz análise dos governos e fala sobre recursos

Silvio Torres faz balanço da carreira e analisa governos

O ex-deputado federal também falou sobre suas expectativas (otimistas) para 2020

Na segunda-feira, dia 30 de dezembro, o ex-deputado federal Silvio Torres (PSDB) concedeu uma entrevista ao Jornal do Meio Dia, da Rádio Difusora FM. Ele falou sobre suas ações na vida política, parcerias, as verbas que foram destinadas a São José do Rio Pardo, fazendo uma análise dos governos atuais – federal, estadual e municipal.

“Encerrei minha carreira política como deputado em 31 de janeiro de 2019. Estou fazendo minha última prestação de contas com a população. Me orgulho muito de ter cumprido toda essa trajetória de uma forma transparente, que demonstrou um espírito público, uma vez que jamais tive meu nome citado ou referenciado em qualquer escândalo, em um período em que o Brasil teve muitos escândalos envolvendo políticos. Me orgulho de ter conseguido ajudar nossa região, que foi onde iniciei meus mandatos, e procurei corresponder ao apoio que tive de várias cidades da região, especialmente São José do Rio Pardo”, comenta.

 “Pude trabalhar em várias frentes, e priorizei bastante a área da saúde, assim como a fiscalização de recursos públicos e economia desses recursos. Uma das minhas prioridades foi a infraestrutura, que foi uma das maiores carências dos municípios de todo o Brasil, especialmente na nossa região. Como se sabe, as cidades estão perdendo receita, e isso se agravou com um período recente de recessão econômica no Brasil. Os primeiros efeitos são os serviços públicos, que caem na qualidade, como saúde e infraestrutura, que é algo caro para ser mantido. Os municípios que não se prepararam para esse tempo de dificuldade, pagaram o preço maior. Temos algumas exceções, alguns municípios que tiveram um planejamento de médio a longo prazo, que cortaram despesas supérfluas, evitaram que a crise fosse mais profunda e conseguiram manter os serviços públicos essenciais. Mas a grande maioria, se não fosse a intervenção do governo federal, ou estadual, com recursos através de emendas de deputados, como as que eu fiz, ou por parcerias e convênios, certamente a situação seria muito pior. Vemos alguns municípios próximos passando por dificuldades, dívidas que passam de R$200 milhões, quase impagáveis, porque não conseguiram se equilibrar a ponto de evitar uma falência”, destaca.

 “Exerci com muita seriedade minha função, sempre visitando os municípios, procurando conhecer as necessidades reais de cada um deles, procurando investir recursos onde realmente precisavam, e paralelamente na Câmara dos Deputados eu cumpri um papel político, como membro do PSDB como sou até hoje, há mais de 30 anos. Tive cargo na executiva nacional do partido, no governo de Geraldo Alckmin fui Secretário de Habitação, e tive a oportunidade de conhecer o estado todo, e poder aplicar milhões de recursos em casas. São experiências e resultados difíceis de resumir, mas quero ressaltar que saio com a sensação e consciência de que cumpri meu dever, e não decepcionei meus eleitores. Sempre respeitei todos eles, porque esse é o preço mínimo que se tem que pagar, quando alguém é levado a um cargo como eu fui, e poder depois voltar a minha cidade, minha origem, e andar de cabeça erguida sem que ninguém possa me apontar qualquer deslize ou crime”.

Recursos e obras

“As obras viárias são motivo de satisfação. Lutei muito durante vários anos para que a região de São José do Rio Pardo recebesse um aporte nas rodovias (Lupércio Torres e SP-207)  que mereciam, pois já estavam bem deterioradas. Demorou mais do que eu previa para as obras começarem, mas saíram com uma ótima qualidade. Foram recursos que o Alckmin reservou de um financiamento internacional. Os padrões de obras financiadas com dinheiro internacional, são rígidos, seguem padrões europeus, que são os melhores. O governador Geraldo Alckmin ajudou muito São José do Rio Pardo. Tivemos recursos para a Perimetral, reforma da ponte, recebemos dinheiro para que a Avenida Perimetral chegue até a Henry Nestlé, e estamos esperando que a empresa faça a parte dela, de dar o acesso aos caminhões, pela via Perimetral. Além disso, o ex-governador contribuiu também com recursos para a saúde”.

“Agora o governador João Dória continua ajudando, e tivemos a oportunidade de colocar emendas, no caso impositivas, ou seja, o governo é obrigado a pagá-las. Antes dessa imposição, às vezes o governo não pagava, deixava caducar, e perdemos muitas verbas por conta disso. Mas essas últimas nós conseguimos. Coloquei praticamente R$2.800.000 (dois milhões e oitocentos) para ser usado na cidade, todas as emendas estão garantidas. Serão R$350 mil para Santa Casa, R$500 mil para a Saúde da Prefeitura, R$1.750.000,00 (um milhão, setecentos e cinquenta mil) para Infraestrutura, e mais R$250 mil destinados a FEUC. Todas essas verbas já estão garantidas. Algumas verbas estão vindo atrasadas, que já haviam sido destinadas em 2018, como é o caso de R$500 mil que serão utilizados para um trecho da Perimetral, que está muito esburacado. Esse é um balanço que faço com otimismo, conseguir ajudar a cidade e região no último mandato”.

Parcerias

Pedi ao deputado federal Samuel Moreira (PSDB), R$ 2 milhões em emendas para São José do Rio Pardo, e ele irá conceder. O recurso será para a infraestrutura e saúde. Ele veio para São José, conversou com os interessados, e ele é um parceiro muito importante que nós temos. Temos o Barros Munhoz, que continua como deputado estadual, que também tem ajudado bastante São José. Ele trouxe alguns recursos para cá, cumprindo o que ele havia prometido. Além do que consegui, tenho ajuda de amigos dos quais convivi, que sempre estão dispostos a ajudar. É um companheirismo do bem, e não de interesses próprios. Torço muito para que essas pessoas ajudem o Brasil e o estado de São Paulo a melhorar cada vez mais”.

Governo Bolsonaro

“Sabemos que as eleições de 2018 foram polarizadas. Tivemos de uma lado a esquerda, e a extrema esquerda, e do outro a direita e extrema direita. O presidente Bolsonaro, assumiu na época compromissos e fez um discurso que conseguiu lhe dar a vitória, em função da enorme rejeição e preocupação que o eleitorado tinha com a esquerda. Nós tínhamos candidatos melhores que Bolsonaro e Haddad. Fiz parte da campanha do Alckmin, que seria a pessoa mais preparada para governar o Brasil, mas o eleitorado brasileiro acabou escolhendo o Bolsonaro porque acreditou que ele seria a pessoa ideal para fazer uma grande mudança na política brasileira, mas ele não fez mudança. Ela está repetindo muitos vícios da política brasileira”.

“Por outro lado, a economia brasileira está apresentando sinais de recuperação. Não porque era o programa dele, outros candidatos do centro, centro-direita, tinham programas como o dele, mas ele conseguiu isso porque teve no Congresso Nacional uma responsabilidade em fazer as reformas e mudar a economia do país, que foi muito judiada no governo do PT, principalmente nos dois últimos. O Bolsonaro está conseguindo dar esperanças em uma parte da economia, e tem algumas medidas na área de segurança que temos que reconhecer, com o Ministro Sérgio Moro as coisas estão andando”.

“Por outro lado, temos algumas preocupações com o comportamento pessoal do presidente e da família dele, que acabam interferindo no rumo do governo. Mesmo assim, estou otimista, e acho que 2020 vai ser um ano melhor. Espero que o presidente amadureça e cuide melhor do Brasil, ao invés de ficar dando importância a coisas que não são relevantes. Ainda temos mais de 11 milhões de desempregados no país, que querem respostas”.

Governo Dória

 “O governador João Dória tem procurado seguir os trabalhos que os governos do PSDB já haviam fazendo. São Paulo tem uma infraestrutura invejável, possui investimento em todos os setores, como segurança, saúde, educação, que são de longe muito melhores do que de qualquer outro estado do país. Isso tudo dá a São Paulo a condição de ser o estado que mais cresce em termos de PIB ( Produto Interno Bruto). Quando vem a recuperação econômica, São Paulo é o estado que mais sente os efeitos, como sente também nas crises, mais rapidamente. Contamos com o governador João Doria para ajudar São José do Rio Pardo, até porque os avós dele nasceram aqui. Ele tem origem aqui. Ele tem conhecimento disso, e esperamos que quando forem inauguradas as obras das estradas, que ele venha para São José do Rio Pardo participar da inauguração, e que possamos levar para ele outras reivindicações”.

Ernani 

“Minha análise é parecida com a que eu tinha dos prefeitos anteriores. A começar pela crise, porque a marca dos três últimos mandatos, foi a de que os municípios foram muito impactados pela crise. Tivemos recessão quase que três anos seguidos. O ex-prefeito João Santurbano pegou o pior momento da crise, com isso acabou legando as dificuldades ao atual prefeito Ernani, que ainda não conseguiu dar as respostas necessárias para essa crise.  Mas eu vejo que ele se empenha, tem mostrado preocupação, e tenho procurado ajudá-lo. Porque tem gente que gosta só de apontar defeito e torcer pelo pior. Em todos os meus mandatos de deputado, independente de quem era o prefeito, se fosse ou não do meu partido, se gostasse ou não gostasse da minha pessoa, eu ajudei a todos, porque São José do Rio Pardo é minha cidade natal. Conheço a fundo os problemas da cidade. O prefeito ainda tem um ano pela frente, espero que ele consiga trazer mais resultados”.

2050

“Estou muito animado com o projeto Rio Pardo 2050, da Agência Regional de Desenvolvimento, ele vai estabelecer um planejamento para a cidade nos próximos 30 anos. As propostas do projeto serão obedecidas criteriosamente e rigorosamente, e os que não cumprirem, serão penalizados. Sem um planejamento de médio e longo prazo, não tem como a cidade crescer. Sempre dou exemplo de São João da Boa Vista, que começou isso há anos atrás. Muitos falam que São João é privilegiado, mas não. Eles fizeram certo. Quem faz planejamento e tem administradores responsáveis, dá certo. E a população precisa acompanhar desde o início o projeto, para depois cobrar”.

Eleições

“Em São José, as disputas políticas estão prevalecendo sobre o interesse da sociedade. Fica essa disputa da Prefeitura com Câmara Municipal, e isso não leva a lugar nenhum. Passou da hora de procurar fazer junto. Sempre vai ser difícil, mas se tiver disposição, vontade, e se as pessoas acreditarem na cidade, podem fazer melhor. Precisa existir uma consciência por parte dos candidatos, e que a população acompanhe isso. A cidade precisa ter um planejamento, e uma mudança efetiva. É preciso planejar uma inovação, buscar ter criatividade. Isso que é mudança. Não tirar uma pessoa e colocar outra. Isso não significa nada. Os candidatos precisam se comprometer com o novo projeto. Deixar de fazer a campanha do modo antigo, ficar falando mal dos outros, querendo derrubar alguém para subir, isso não dá em nada. As últimas eleições municipais  já mostraram isso. Espero que a população acompanhe os debates da campanha, que se interesse. Não é apenas uma pessoa que pode resolver os problemas do munícipio, tem que ser de maneira coletiva”, encerra.

Confira também

Rodrigo Ribeiro, o “Buiu”, fala sobre referência negra, racismo, e projeto pessoal

Para ele, lei deveria ser mais severa com relação ao racismo No dia 9 de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *