segunda-feira , 21 junho 2021
Início / Agricultura / Produtor confirma: sol forte e falta de água tem afetado as plantações
O mato arrancado entre as leiras de repolho ajuda a reter um pouco a umidade do solo

Produtor confirma: sol forte e falta de água tem afetado as plantações

Essa escassez de água foi confirmada quinta-feira, 8 de outubro, pelo produtor rural e sitiante Marcelo Cesar de Andrade, que arrenda dois hectares e meio de terra na região conhecida como Sertão Grande, próxima ao Cassucci. Marcelo está com produção de alface e repolho na propriedade, mas relatou ao jornal o que ocorreu nas últimas semanas por conta do calor.

“Aqui aonde estamos deve ter chegado a 45 graus no período da tarde na quarta-feira desta semana. E a gente aguenta só porque, de manhã, faço a irrigação por aspersão e isso deixa a terra molhada por um período. O problema é que teve dias que não havia água no brejo (córrego) pra gente puxar e aí tudo o que foi plantado sente”, lamentou.

“E mesmo agora, depois da chuva que deu alguns dias atrás e da melhora no volume de água do córrego, é preciso molhar mais a terra para não perder a plantação. Estou gastando bem mais água e energia elétrica nessas últimas semanas por conta desse calor”, continuou, explicando que a alface é a que mais sente o sol excessivo.

Marcelo conta que, toda manhã, liga o sistema de irrigação durante 40 minutos, alcançando toda a área plantada. “Você pode observar a área da alface. Tem lugar que ela pegou bem e tem lugar que não deu muda nenhuma ou deu bem menor. Não foi por irrigar mais uma área que a outra. Foi pelo sol forte mesmo e porque faltou água algumas semanas atrás”, disse.

Ele comenta também que a alface está em falta no mercado, talvez até em função desses problemas já mencionados. Na roça, ela é vendida em grades e cada grade estava cotada esta semana a R$ 12. Já o repolho de Marcelo ainda demorará um mês ou 40 dias para ficar no ponto para a colheita e venda.

Marcelo diz lutar para recuperar os prejuízos que a pandemia lhe causou. “Os meses de março e abril são os melhores para a venda de alface e repolho. No começo da pandemia eu tinha 8 mil grades de alface para vender e o repolho, que estava sendo vendido a 25 reais, caiu para 10 reais no final de março. Fecharam os restaurantes e lanchonetes e eu tive um prejuízo de 100 mil reais. Estou tentando reverter isso”, concluiu.

Confira também

Com falta de vacinas, estudo clínico avalia eficácia de meia dose da AstraZeneca

Pessoas com neuropatias crônicas foram inseridas no grupo prioritário de vacinação O Brasil atingiu 500 mil …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *