sexta-feira , 24 janeiro 2020
Início / Brasil & Mundo / ‘Extinguir o DPVAT é cortar o mal pela raiz’
José Eduardo Maldonado é a favor da medida provisória que extingue o DPVAT

‘Extinguir o DPVAT é cortar o mal pela raiz’

Opinião é de José Eduardo Maldonado, despachante e documentalista rio-pardense

O presidente Jair Bolsonaro anunciou na segunda-feira, 11 de novembro, uma medida provisória que extingue o seguro obrigatório DPVAT a partir de 2020. O seguro indeniza vítimas de acidente de trânsito. Segundo uma nota publicada pelo governo “A Medida Provisória tem o potencial de evitar fraudes no DPVAT, bem como amenizar/extinguir os elevados custos de supervisão e de regulação do DPVAT por parte do setor público (Susep, Ministério da Economia, Poder Judiciário, Ministério Público, TCU), viabilizando o cumprimento das recomendações do TCU pela SUSEP”.

Nos últimos dez anos, o seguro foi responsável pela indenização de 4,5 milhões de brasileiros. No entanto, em 2018, quase 12 mil fraudes foram identificadas ao DPVAT em todo o país, segundo dados da seguradora Líder. O número equivale a 2% dos 597 mil pedidos feitos aos seguros no Brasil naquele ano. A identificação das fraudes poupou R$ 70 milhões ao fundo.

O jornal entrevistou o rio-pardense José Eduardo Maldonado, despachante documentalista há 32 anos, proprietário do escritório “Duda Despachante” em São José do Rio Pardo, para explicar sobre o assunto.

O que é o seguro DPVAT? Como funciona?

José Eduardo: O seguro DPVAT cobre danos pessoais em acidentes de trânsito. Tanto do motorista como dos pedestres, de qualquer pessoa que estiver envolvida no acidente. Esse seguro é pago junto com o licenciamento do veículo, embora de uns anos para cá, foi solicitado que o pagamento fosse efetuado junto com o IPVA. O valor vem sendo reduzido pela falta de solicitação dessa cobertura. Pouca gente solicita. Esse seguro pode ser por morte, invalidez, ou despesas hospitalares.

Quando o pedestre é atropelado, ou alguém se envolve em um acidente de trânsito, o primeiro atendimento é o SUS quem faz, todo o atendimento é por conta do governo. A despesa hospitalar só é reembolsada para a pessoa, com as despesas comprovadas, que precisam ser feitas com laudos médicos e notas fiscais de gasto. A pessoa, nesse caso, pode ser indenizada até R$2.700, ou no caso de morte, a família é indenizada com um valor acima de R$13.000.

Qual o valor do DPVAT? Como o cálculo é feito?

José Eduardo: O valor do DPVAT varia de acordo com o tipo de veículo. Automóvel tem um valor, caminhonete tem o preço parecido com os carros, ônibus já é mais caro, e a moto também tem o valor mais elevado por ter um índice de acidentes maior.

Você é a favor ou contra a medida provisória de extinguir o DPVAT? Por quê?

José Eduardo: Eu sou a favor da medida provisória assinada pelo governo, pelo seguinte: desde 2015 a polícia federal já está fazendo uma operação para pegar fraudes, que são muito grandes em cima do DPVAT. O desvio do dinheiro público é enorme. O DPVAT é administrado pela seguradora Líder, que nada mais é do que um conjunto de grandes seguradoras que administra esse dinheiro. É um valor anual muito alto.

É muito comum as pessoas não fazerem a solicitação, porque hoje em dia quando você vai licenciar o seu carro, você já paga o seguro obrigatório, que nada mais é que o DPVAT. As pessoas já confundem o DPVAT com impostos como o IPVA. A maioria não sabe como funciona o DPVAT, não sabendo como funciona, ela nem vai solicitar. Ela só recebe o DPVAT no caso das despesas particulares, porque se a pessoa for atendida pelo SUS ou plano de saúde, ela não vai ter nenhum tipo de indenização para os gastos. O DPVAT é fonte de fraude de médicos, advogados, pessoas que simulavam acidentes para conseguir indenização.

Acho que essa medida do governo é cortar o mal pela raiz. O combate a corrupção é muito difícil pela nossa questão legislativa, então isso é uma maneira de evitar esse mal. Vamos torcer para que o Congresso aprove essa medida provisória. O DPVAT nada mais é que um imposto que o contribuinte tem que pagar.

Você acha que a medida prejudicaria as famílias em caso de indenização por morte?  

José Eduardo: Eu acredito que isso não prejudicaria a família no caso de morte. Hoje em dia, quase todos os veículos já tem seguro próprio, particular, todo seguro já tem indenização para terceiros. Se alguma pessoa sofrer o acidente, e acabar falecendo, há necessidade de um processo, a área civil já vai cuidar da parte indenizatória dessa pessoa. Tanto por danos morais, como nas despesas que a família vai ter com esse acidente. Então, se a pessoa já tiver o seguro de terceiros, já terá como indenizar as pessoas, não há necessidade de DPVAT.


Preço do seguro obrigatório por tipo de veículo

Por Júlia Sartori

Confira também

Organograma da Prefeitura tem hoje mais de 420 cargos

Dentre eles, o cargo de “chefe” é o mais comum, sendo ocupado por 126 pessoas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *