Início / Cidade / Alzheimer é irreversível, mas tratável

Alzheimer é irreversível, mas tratável

Apesar de não haver cura, a prevenção e o uso de medicamentos são recomendados

O geriatra Jean Pierre Alencar

Um relatório desenvolvido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e Associação Internacional da Doença de Alzheimer (ADI), chamado ‘Demência: uma prioridade de saúde pública’, cita que mais de 35 milhões de pessoas sofrem de demência no mundo. Esse número deve dobrar em 2030 e triplicar em 2050.

O médico geriatra e especialista Jean Pierre Alencar, que atende entre 200 a 300 pacientes com demências em São José do Rio Pardo e Mococa, explica que a doença é ‘uma ausência da mente’. “Demência é uma síndrome caracterizada pelo declínio da capacidade intelectual suficientemente grave para interferir nas atividades sociais do dia a dia. É causada por um comprometimento do sistema nervoso central e por diversas doenças que comprometem a função cognitiva. Ela se dá por dois problemas: a pessoa possui placas senis e uma proteína chamada beta-amiloide, que vai danificando as células nervosas e os neurônios vão morrendo.”

Para ele, o fato de uma pessoa possuir déficit de memória (esquecimento), não quer dizer que ela tenha demência. “Quando a pessoa tem, além da memória, alterações em registrar informações, guardar informações, evocar alteração na linguagem, incapacidade de reconhecer objetos, de executar tarefas que fazia no dia a dia e incapacidade de organizar e planejar sua rotina, aí pode ser considerada demência.”

Entre os quatro principais tipos de demências, a doença de Alzheimer é a mais comum entre a população. “Das demências, 53% a 60% é demência de Alzheimer. Depois vem a vascular (quando a pessoa tem um AVC e fica com déficit de memória), demência fronto-temporal (tem mais características no comportamento como a agressividade) e demência Corpos de Lewy (DCL) – tem três características como Parkinson (tremor), delírios e alucinações no início.”

Segundo ele, o Alzheimer é uma doença degenerativa irreversível, e um novo caso a cada sete segundos é registrado no mundo. “Se todas as pessoas conseguissem fazer um diagnóstico mais preciso e antecipar um ano de tratamento, 9 milhões de casos no mundo seriam evitados.” O índice de acometimento de pessoas acima de 62 anos é de 1% a 2%, acima de 65 anos é de 4% a 10% e acima de 85 anos é de 20%, podendo chegar a 45%.

Alterações na memória

O geriatra cita algumas razões para que a memória sofra alterações comprometedoras, como a idade avançada, envelhecimento, isolamento e remédios. “As pessoas que vivem só ou isoladas têm mais risco de desenvolver problemas de memória e também as que tomam psicofármacos – remédios neurológicos para dormir, por exemplo. A própria ansiedade e o estresse também interferem na memória.” Sendo assim, a cognição, considerada tudo o que envolve a esfera do funcionamento cerebral, passa a ser alterada. “É onde temos a habilidade de sentir, pensar, perceber, lembrar, raciocinar, falar, prestar atenção e a capacidade de resposta.”

Fases do Alzheimer

De acordo com Jean, a doença possui três fases, sendo leve, moderada e grave. “A leve tem duração de dois a três anos e o paciente só tem perda de memória, alguma dificuldade no trabalho, perde alguns objetos, tem uma desorientação de tempo e espaço e começa com uma leve dificuldade em reconhecer algumas pessoas da família.

Depois de três anos vem a fase intermediária, em que ele tem mais dificuldade com a fala. As coisas antigas também vão ficando mais difíceis de serem lembradas e ele vai ter dificuldade em planejar e executar tarefas do dia a dia. Essa fase dura de oito a 10 anos. Já a fase avançada é a mais triste, onde o indivíduo começa a falar menos. Ele pode ter incontinência fecal e urinária, mais dificuldade para andar e pode ficar acamado.”

Medicamentos e prevenção

O geriatra ressalta que apesar de não haver cura, a medicação continua sendo importante, pois melhora a comunicação entre os neurônios e atrasa o processo da patologia. “A medicação não vai curá-los, mas vai fazer com que as manifestações da doença sejam mais lentas e ela fique mais ‘estacionada’. Em alguns casos até melhora a memória. Então, na verdade, você evita que ela atinja as fases mais adiantadas.”

Assim como qualquer tipo de demência, a doença de Alzheimer pode ser prevenida com atividades físicas, caminhada, andar de bicicleta, natação, hidroginástica, dança e até mesmo cuidar do jardim. “Atividade física é o que mais previne a doença. Depois vem o estímulo da memória, através de leitura, artesanato, sempre mantendo o cérebro ativo. Também tem a dieta mediterrânica, que é baseada em peixes, azeite, castanhas, verduras e legumes coloridos.”

Fonte: Gazeta do Rio Pardo – Por Marina Camacho

Confira também

Psicóloga fala sobre jogo da Baleia Azul

Para ela, os jovens se prendem ao jogo porque alguns estão vivendo “um grande vazio” ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *