Início / Últimas Notícias / Moradores de rua estão sendo identificados

Moradores de rua estão sendo identificados

 

Trabalho vem sendo feito pela educadora Fernanda Botezeli, com apoio da Guarda Municipal

 

 

Através do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), a Secretaria de Assistência e Inclusão Social vem realizando a chamada busca ativa para a identificação de pessoas em situação de rua. O objetivo é traçar um perfil para diagnosticar a origem, se são usuários de drogas e álcool, se têm famílias, há quanto tempo estão nas ruas, além de outras questões.

O trabalho, que é feito pela educadora social Fernanda Botezeli, conta com apoio da Guarda Municipal na visitação aos locais e abordagens dos cidadãos. “A partir deste diagnóstico o município terá condições de determinar o melhor atendimento a estas pessoas”, explica a coordenadora do Creas, a psicóloga Natália Pinezi Mendonça.

Conforme comenta a secretária Maria Angela Dal Bello, o papel da Assistência Social não é simplesmente retirar estas pessoas das ruas mas também oferecer condições para que elas possam melhorar de vida, sair da situação de risco e vulnerabilidade social. “Para isso é preciso que se tenha um programa de atenção bem estruturado, em que todos os órgãos da rede SUAS – Sistema Único de Assistência Social – tenham sua responsabilidade e participação: saúde, segurança, educação, justiça. Cada um fazendo sua parte. A primeira etapa deste processo é justamente identificar estas pessoas e criar ações para atendê-las”, completa.

CREAS

O Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) é uma unidade pública da política de Assistência Social onde são atendidas famílias e pessoas que estão em situação de risco social ou tiveram seus direitos violados.

A unidade deve, obrigatoriamente, ofertar o Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (PAEFI), podendo ofertar outros serviços, como Abordagem Social e Serviço para Pessoas com Deficiência, Idosas e suas famílias. É unidade de oferta ainda do serviço de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto.

Além de orientar e encaminhar os cidadãos para os serviços da assistência social ou demais serviços públicos existentes no município, no Creas também se oferece informações, orientação jurídica, apoio à família, apoio no acesso à documentação pessoal e estimula a mobilização comunitária.

Em São José do Rio Pardo a unidade está instalada à Rua Della Torre nº 04, Centro. O atendimento ao público é das 7h00 às 16 horas, de segunda a sexta-feira. Outras informações pelo telefone (19) 3682-9337.

Foto Busca Ativa

Fernanda Botezeli, apoiada por guarda municipal, ouve moradores de rua na região da Matinha

 

 

Modelo de acolhimento

institucional é trocado

 

A Prefeitura está substituindo o modelo atual de contratação das entidades, que até então prestavam serviços de acolhimento institucional a crianças e adolescentes, por outro. Até então, a contratação  era feita mediante convênio entre o município e as entidades interessadas.

A Secretaria Municipal de Assistência Social ficou de publicar o edital de chamamento público para entidades interessadas em prestar esses serviços, destinados à faixa etária de 0 a 17 anos e 11 meses. Segundo a Prefeitura, uma nova legislação estabelece a necessidade de chamamento público.

O chamamento também será realizado depois que o Educandário São José – entidade que até então prestava acolhimento – informou que em maio próximo deverá suspender o setor denominado Abrigo. Gazeta publicou, em sua edição anterior, entrevista com Maria do Socorro, do Educandário, informando as razões dessa decisão.

Maria Ângela Dal Bello, secretária da Promoção e Inclusão Social, lembra que em 2016 o Educandário São José alterou seu estatuto em relação ao acolhimento de adolescentes. “A legislação atual determina que este acolhimento tem de ser para crianças e adolescentes. Desta forma, infelizmente o Educandário deixou de se enquadrar no recebimento dos recursos”, comentou.

Que é o serviço

O acolhimento institucional é medida determinada pelo Poder Judiciário e por requisição do Conselho Tutelar, em caráter provisório e excepcional, para abrigar crianças e adolescentes de ambos os sexos, inclusive crianças e adolescentes com deficiência, em situação de medida de proteção e em situação de risco pessoal, social e de abandono, cujas famílias ou responsáveis encontrem-se temporariamente impossibilitados de cumprir sua função de cuidado e proteção.

O acolhimento será feito até que seja possível o retorno à família de origem ou extensa ou colocação em família substituta.

Confira também

Profissionais mostram abrangência dos biomédicos

Profissionais mostram abrangência dos biomédicos Existem mais de 30 áreas de atuação aos formandos e ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *