Início / Últimas Notícias / HISTÓRIA DA GRUTA NOSSA SENHORA DE LOURDES

HISTÓRIA DA GRUTA NOSSA SENHORA DE LOURDES

HISTÓRIA DA GRUTA NOSSA SENHORA DE LOURDES

Situada na entrada do Asilo Padre Euclides Carneiro, na Vila Pereira, está a ¨Gruta de Nossa Senhora de Lourdes¨, que além de ser um ponto turístico de São José do Rio Pardo, também é um ambiente de fé e reflexão.
Nos conta a história que o terreno, parte da Fazenda da Barra, foi doado ao patrimônio da Igreja pelo Capitão José Theodoro Nogueira de Noronha, em 1865. Sua construção se deu pela iniciativa da irmandade rio-pardense ¨Filhas de Maria¨ fundada pelo padre Euclides Carneiro, que fez uma promessa de construir uma gruta de pedras, réplica da Gruta de Lourdes, na França, na entrada do Asilo Padre Euclides, pedindo que a 1ª Grande Guerra Mundial, iniciada em 1914, terminasse, e também para que o templo seria mais um local de orações e intenções. Essa intenção também foi patrocinada pelo rev. Vigário Euclides Carneiro.
Cumprindo a promessa, no segundo semestre de 1917, a construção da ¨Gruta de Nossa Senhora de Lourdes¨, na entrada do Asilo teve início. Muitos nela trabalharam sob a direção do construtor Honorato Bontempo. No seu interior, todo revestido de pedras e com réplicas das imagens, ficava a fonte sob os pés da imagem de Nossa Senhora de Lourdes, transmitindo uma sensação de paz e serenidade.
Sua inauguração ocorreu na manhã de sábado, 18 de maio de 1918, com muita pompa, com banda e fogos, além da presença de oitenta Filhas de Maria. Apesar da gripe espanhola que rondava a cidade, fazendo muitas vítimas, todos os moradores de São José lá estavam, sem temor.
A benção da imagem da Santa teve como padrinhos o Coronel Francisco Soares de Camargo e a Sra. Luiza Novo Rodrigues, esposa do vereador Capitão Mário Rodrigues.
Em 14 de dezembro de 1.918, o jornal ¨O Progresso¨ comentou ¨a louvável atitude do vice-prefeito Antônio Ribeiro Nogueira, que se prontificou em concluir as obras da gruta¨. Nesta mesma edição a população foi convidada a participar, no dia 24, da missa pelas almas dos mortos vitimados pela gripe espanhola.
Alguns anos após a inauguração, o local foi praticamente esquecido. Ficava longe da cidade e chegar lá na Gruta não era fácil, sendo necessário transpor o córrego, cercas de arame farpado, porteiras, ou fazer um distante caminho que percorria a deserta Vila Pereira, até a entrada do Asilo Padre Euclides Carneiro.
A Rua Coronel Marçal terminava bem antes e apenas um trilho no meio do mato levava até o córrego onde havia uma pinguela que dava acesso às proximidades da pouco frequentada gruta, separada por um pasto com vacas e porteiras.
O riacho, este sim era frequentado por crianças que ali brincavam. Pés de amoras, pitangas e ¨caetanas¨ também faziam a alegria da molecada.
Esquecida num canto da cidade, a velha gruta nos anos l940 e 60 se transformara em um depósito de coisas velhas e macabras, abrigando o mau gosto dos altares e nichos onde eram deixados santos quebrados e objetos de pagadores de promessa.
Seu interior era quase tétrico; além de imagens sem cabeças ou braços, havia tranças de cabelo, vestido de noivas, flores plásticas, retratos, orações com pedidos, vasos quebrados, terços, crucifixos, grades de ferro.
Em meados dos anos de 1.960, o local começou a ser revitalizado e a gruta foi redescoberta. Na frente, o terreno foi limpo para ser transformado uma praça ( hoje Praça Nossa Senhora de Lourdes ). Uma ponte foi construída sobre o Córrego das Macaúbas e a rua Coronel Marçal já chegava até o local onde começou a ser construída a Creche São Paulo, antigo sonho de Dona Olga Pourrat Campos, parteira e vereadora.
O interior da gruta tornou-se mais arejado e agradável com a retirada de madeiras, vidros, bancos quebrados e granitos que serviam de altar. As imagens da Nossa Senhora de Fátima e de Santa Bernadete foram reassentadas assim como a fonte de água que passou a brotar abaixo da imagem de Nossa Senhora de Lourdes.
Hoje, bem próxima ao centro da cidade o templo de pedra é bastante visitado como local para meditação, servindo, também como ponto turístico da cidade. Permanece o sentido religioso do recinto, local de muita fé e devoção não só dos munícipes de São José como também de todos que visitam nossa cidade.
A ¨Gruta Nossa Senhora de Lourdes¨ se encontra sob responsabilidade da Paróquia Santuário São Roque, sendo frequentada por uma atuante comunidade que ali se formou para participar de missas e grupos de orações semanais. No local é celebrada Missa todos os sábados às 19,30 horas; às quartas-feiras, às 19,30 horas, Terço, Celebração da Palavra e Eucaristia; às quintas-feiras às 19,30 horas, Grupo de Oração; nas últimas quartas-feiras do mês, às 19,30 horas, Hora Santa; e nas últimas quintas-feiras do mês, às 12,30 horas, a Devoção das mil Aves Marias com o Santíssimo exposto e queima de pedidos.
Essa mesma comunidade, que até um banheiro construiu nas proximidades, se prepara para a celebração, no âmbito religioso, do centenário de inauguração da Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, que ocorrerá em 18 de maio de 2.018, com missas que serão celebradas às 09:00; às 15:00 e às 19:30 horas, onde haverão vendas de bolos e salgados.

Confira também

3º Concurso de Cafés de Águas da Prata – Prêmio Prefeito José Vilela Junqueira, aconteceu no dia 30 de setembro, no UniFEOB.

3º Concurso de Cafés de Águas da Prata – Prêmio Prefeito José Vilela Junqueira, aconteceu ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *