Início / Cidade / O Judiciário no olho do furacão

O Judiciário no olho do furacão

O Judiciário no olho do furacão

 

A emocionalidade e a vitimização criadas ao redor da condenação e prisão do ex-presidente Lula já foram longe demais. É irracional acreditar que, mesmo depois de perder mais de 70 recursos impetrados em todos os níveis da Justiça, o réu ainda se encontre condenado e recolhido sem provas, como seus correligionários insistem fazer crer o povo brasileiro e a opinião pública internacional. É verdade que o paciente e seus defensores têm o direito de peticionar em todas as vertentes onde possam enxergar alguma possibilidade de sucesso. Mas o Poder Judiciário tem o dever de temperança e isenção para que se cumpra a sua finalidade de garantir as leis e com isso promover a arbitragem das diferenças e servir à sociedade. Um juiz como o plantonista que tentou libertar o ex-presidente em rito sumário, pela sua longa militância petista anterior ao vestir da toga, deveria ter-se dado por suspeito em vez de, na fugacidade de sua tarefa sazonal, tentar mudar a decisão do colegiado sobre o seu ex-líder. O titular de um plantão é, como o oficial de dia de um quartel, apenas aquele que mantém a porta da repartição aberta para cuidar de eventualidades, e não têm poder de comando nem de mudar coisas já decididas pela instituição.

Mais do que manter preso ou libertar o condenado vip, o que preocupa é a ingerência política, partidária ou ideológica no Judiciário que, para ser útil à comunidade, tem de ser isento e guardião da Constituição, das leis e da hierarquia. O ocorrido em Porto Alegre não é inovação, pois tem antecedentes recentes no Supremo Tribunal Federal, onde decisões monocráticas ou de turma têm ignorado a colegialidade. Isso lança o Judiciário no olho do furação do descrédito popular já reinante sobre Executivo e Legislativo. Agora, a corte suprema tem o dever de promover a pacificação jurídica e dissecar as dúvidas lançadas. Não o fazendo, poderão prosperar as temerárias propostas de reforma judiciária já existentes no Congresso Nacional. Precisamos de julgadores isentos e, mais que isso, de defensores, guardiões das instituições em que operam e capazes de rechaçar atitudes que possam apequenar a sua nobre tarefa. É daí que vem a segurança jurídica e a certeza aos cidadãos sobre o lícito e o ilícito.

Frustrada a tentativa de libertação do condenado, seus aliados, usando o tom moralista e vitimizante que serviu ao Partido dos Trabalhadores e seus satélites, durante toda sua trajetória ao poder, tentam agora mobilizar a militância. Alguns verbalizam ofensas contra o Judiciário, Polícia Federal e autoridades, algo que vêm cometendo desde o impeachment de Dilma Rousseff, impropriamente classificado como “golpe”. Já passou da hora dos ofendidos reagirem institucional e juridicamente para evitar que, através de sofismas, continuem tentando incendiar o país. Estamos a menos de três meses das eleições que renovarão os governos federal e estaduais e o Legislativo. Sua inviabilização ou a criação de um ambiente de insegurança seria um golpe contra o futuro do país.

 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br

 

Confira também

Festa dos 35 anos da Cidade Livre FM na AAR

Festa dos 35 anos da Cidade Livre FM na AAR Os 35 anos da Cidade ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *