Início / Cidade / Canarinho e Curió: 35 anos pela música raiz
Foto: Reportagem Gazeta do Rio Pardo

Canarinho e Curió: 35 anos pela música raiz

Dupla rio-pardense comemora sucesso em toda região como cover de Milionário e José Rico

Foto: Reportagem Gazeta do Rio Pardo
Foto: Reportagem Gazeta do Rio Pardo

Há 35 anos na estrada, a dupla rio-pardense Canarinho e Curió, que atua em toda região como cover de Milionário e José Rico, tem muitos motivos para comemorar. Não são poucas as conquistas em todo esse tempo. No ano passado, eles lançaram um DVD com músicas de Milionário e José Rico, além de Mato Grosso e Matias, João Mineiro e Marciano, entre outras.

Já participaram de programas de televisão na TV Mix Regional, em Descalvado, e há poucos meses fizeram a abertura do show da cantora Jayne, em Muzambinho.

Nos próximos meses irão a Limeira, também a convite da TV Mix, para gravar um programa com Guilherme e Santiago. “Tivemos um convite também do SBT, mas conversamos e achamos melhor não ir porque fazemos um trabalho muito sério e achamos que era um pouco de brincadeira, de gozação. Por isso não aceitamos”, dizem.

No dia 14 de maio, Canarinho e Curió estarão em Muzambinho, para fazer show beneficente na praça, com a dupla Regis e Raí e outros artistas. Depois dessa apresentação, no mesmo dia eles farão a abertura do show de Sula Mazurega.

A dupla já tem um LP compacto, lançado em São Paulo após vencer um festival de música em 1984. Os planos, agora, são a gravação do primeiro CD com músicas de Milionário e José Rico. “Mas para lançar cover dependemos de autorização. Temos um amigo lutando pela gente em Americana, vamos ver se conseguimos para o próximo ano”, informam.

O início

O nome da dupla Canarinho (Lupércio Aparecido Ribeiro) e Curió (Flávio Antônio Barreto Inarelli) surgiu a partir de uma brincadeira. “Na época em que a gente formou a dupla, todo mundo tinha um canarinho em casa para alegrar a residência, então escolhemos o nome de um pássaro popular. E Curió foi uma brincadeira que fizemos na época, em que um tirava sarro do outro. Então, como o Milionário falava, eu também falei: ‘Já que você é o Canarinho, tenho que ser uma coisa maior do que você. E escolhi Curió’.”

Canarinho conta que aos cinco anos ganhou um cavaquinho do seu pai e começou a tocar. “Depois, com 11 anos, meu pai me deu uma sanfona de 120 baixos. Eu ficava um mosquitinho atrás dela, mas fui aprendendo. Meu pai era violeiro e isso está no sangue, não adquire porque você quer. Já nasce com o sertanejo nas veias.”

Curió diz que também começou cedo. “É um dom de Deus essa coisa magnífica que é tocar e cantar. A minha família é de artistas. Meu finado tio Paulinho cantou com Belmonte e Amaraí, minha mãe toca violão, viola, piano, sanfona. Meu pai cantava um pouco.”

Influências

Canarinho diz que no início cantava músicas de Amado Batista e Roberto Carlos. Depois, com o reconhecimento dos violeiros Milionário e José Rico, ele acabou deixando a música popular para se dedicar ao sertanejo. “Eu achava lindo eles cantarem. Na época começaram a estourar e bandeei para o lado deles. Depois cantava João Mineiro e Marciano, Trio Parada Dura, Cristian e Ralf.”

Curió foi influenciado, desde pequeno, pelo cantor Sérgio Reis. “Eu me lembro que quando garoto tinha aquelas sonatas pequeninas, e como gostava muito de música, minha avó tinha paixão pelo Sérgio Reis. E eu ficava escutando as músicas com aqueles discos antigos e fazendo a lição da escola, e o ouvido ligado no Sérgio Reis. Peguei gosto pelas músicas dele e, quando ele lançou o Menino da Porteira, comecei a tocar a música no violão e cantar, e fui seguindo a carreira sertaneja. Depois quando o Milionário e José Rico lançaram Ilusão Perdida, comecei também a acompanhá-los.”

Responsabilidade

Curió conta que ser cover de Milionário e José Rico é uma grande responsabilidade. “Eles foram consagrados praticamente em nível mundial. Tanto que a gente leva uma carreira muito séria como cover deles. Temos que agradecer muito a Deus por ter dado esse dom de a minha voz ser parecida com a do José Rico. E ele nunca será esquecido por nós.”

Ele conta que quando recebeu a notícia da morte de José Rico ficou bastante abalado. “Era como um pai para mim, um ídolo da música sertaneja. Mas tenho sempre a impressão de que ele está sempre comigo. Temos que respeitar a vontade de Deus. A gente não sabe o que fala, mas Deus sabe o que faz”, diz Curió.

Para Canarinho, José Rico “foi um sertanejo que deu muito de si pela música, no bom entendimento de levar o nome do Brasil para fora. É o melhor da música sertaneja porque abrange várias áreas, como música romântica, forró. Todos admiraram essa dupla maravilhosa que jamais será esquecida pelo potencial das músicas e pelas letras muito bem feitas que entram no coração das pessoas e comovem.”

Raiz e universitário

Para Canarinho, tanto o sertanejo raiz quanto o sertanejo universitário conquistaram seu espaço na música. “O sertanejo em si, esse que a gente divulga, é o raiz. O que está dominando a área hoje, e que é um trabalho excelente também, é o sertanejo universitário. Um tipo de música que a gente adora, mas é diferente. Independente disso, quem gosta do sertanejo raiz jamais vai deixar de ouvir. Mas ambos estão nas rádios, o pessoal gosta e curte mesmo, tanto os mais antigos quanto os mais novos.”

Curió diz que o sertanejo raiz é “pai e mãe” do sertanejo universitário. “Mas ainda prevalece o sertanejo, e reforçou muito mais com a morte do José Rico. A música sertaneja jamais vai ser esquecida, não vai acabar nunca. O espaço é grande para ela, não tem idade.”

Contato para show – (19) 98901-3892, com Flávia ou Júlia.

Fonte: Gazeta do Rio Pardo

Confira também

Prova dos inscritos no concurso de São José do Rio Pardo será dia 27

Prova dos inscritos no concurso será dia 27 Um grupo de candidatos fará a prova ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *