Início / Brasil & Mundo / Reportagem da Gazeta gerou matéria no G1

Reportagem da Gazeta gerou matéria no G1

Reportagem da Gazeta gerou matéria no G1

Isabela e Isadora falaram ao site de notícias o que haviam dito ao jornal

 

A Rede Globo, através da EPTV e do site de notícias G1, aproveitou uma reportagem da Gazeta do Rio Pardo feita pouco antes do início da Copa do Mundo com as irmãs gêmeas rio-pardenses Isabela e Isadora Giacomini (com texto escrito, na época, por Marina Camacho), para também fazer, há poucos dias, uma matéria especial com elas em São José do Rio Pardo. O enfoque da emissora foi que, através do aplicativo criado pelas duas, a quantidade de downloads passou de 225 mil e o sucesso chegou a 81 países. A íntegra da matéria do G1 é transcrita a seguir.

 

Apaixonadas por futebol, duas irmãs gêmeas de São José do Rio Pardo (SP) criaram um aplicativo para troca de figurinhas da Copa do Mundo. Disponível para o sistema Android, o app gratuito ‘Minhas Figurinhas’ já ultrapassou 225 mil downloads e faz sucesso em 81 países.

As autoras do projeto são Isabela e Isadora Giacomini de Moraes, de 22 anos, formadas no curso técnico de Informática para Internet da Escola Técnica Estadual (Etec) Prof. Rodolpho José Del Guerra, de São José do Rio Pardo, e no curso superior tecnológico de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) Mococa (SP).

Em entrevista ao G1, Isadora contou que teve a ideia de criar o aplicativo após encontrar a irmã em casa tabulando a coleção no Word para controlar quais ela já tinha e quais faltavam. “Na hora eu pensei no trabalhão que isso ia dar. Vi que não tinha muitas soluções nesse sentido e que seria interessante nós criarmos o nosso próprio app”.

Solução prática

Segundo as irmãs, uma das vantagens do aplicativo é a possibilidade de compartilhar com os amigos via WhatsApp quais são as figurinhas que faltam no álbum, além de uma ferramenta que indica quais adesivos repetidos de outro colecionador podem servir para o interessado.

Com um clique é possível cruzar rapidamente as informações e localizar as figurinhas que podem ser trocadas, sem precisar verificar uma por uma, economizando tempo, papel e caneta.

Ao baixar o aplicativo, o usuário marca as figurinhas que já estão na sua coleção, navegando pelas próprias categorias do álbum: apresentação, estádios, cidades, times e lendas da copa.

A partir daí, é feito um cálculo e a tela principal apresenta um resumo com o total de adesivos, quantos ainda faltam e a porcentagem para completar o livro. No menu, é possível obter uma visão geral do álbum, registrar os cromos repetidos, compartilhar os faltantes e compará-los com outras coleções. A ferramenta disponibiliza também um tutorial que explica como utilizar cada função.

Paixão pelo futebol

Isadora contou que ela e a irmã sempre gostaram de futebol, brincadeira favorita com os primos na infância. “Talvez porque meu pai é muito ligado em futebol também, então esse esporte na nossa vida foi algo muito natural”, disse.

Para as irmãs, a melhor lembrança da Copa foi em 2002, quando o Brasil conquistou o pentacampeonato. A coleção dos álbuns começou na Copa seguinte, em 2006. “A partir daí a gente começou a acompanhar mais os jogos de futebol pela TV. Hoje com certeza a paixão pelo esporte é muito maior”, ressaltou Isadora.

Foi a partir de 2006 também que elas começaram a colecionar os álbuns. Em março deste ano, elas foram às bancas e compraram vários pacotinhos com figurinhas até que tiveram a ideia do aplicativo. Em dois dias, elas desenvolveram a ferramenta e a disponibilizaram para download.

O aplicativo está disponível nos idiomas português e inglês e, além do Brasil, faz sucesso também em outros 80 países, como Alemanha, Espanha, Egito, Estados Unidos, Portugal e Rússia.

“Nós não esperávamos essa repercussão toda. A princípio foi uma ideia para uma necessidade nossa e que a gente resolveu disponibilizar, pois poderia ser a necessidade de outras pessoas também”, contou Isadora.

Segundo ela, o objetivo é dar continuidade para o aplicativo nas Copas seguintes e desenvolver uma versão para iOS. “Temos outros projetos que queremos desenvolver para as próximas copas também e outros projetos em outras áreas, nós sempre estamos buscando criar alguma coisa legal ou alguma coisa nova”, disse Isadora.

Atualmente ela e a irmã trabalham na área de programação e cursam pós-graduação em Desenvolvimento de Aplicações para Dispositivos Móveis no Instituto Federal de São João da Boa Vista (IFSP).

 

Isadora (à esq.) e Isabela querem desenvolver uma versão para o sistema IOS (Foto: Arquivo pessoal)

 

Aplicativo brasileiro já foi baixado em outros 80 países (Foto: Arquivo pessoal)

 

Confira também

Antônio Carvalhaes é condecorado em São Paulo

Antônio Carvalhaes é condecorado em São Paulo Rio-pardense foi pioneiro no país em processar dados ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *