Início / Brasil & Mundo / Polícia retirou seis corpos da casa de pintor em favela na Zona Sul de SP

Polícia retirou seis corpos da casa de pintor em favela na Zona Sul de SP

Delegada afirmou que há roupas de ‘mulher, homem e criança’.
Bombeiros foram à casa do pintor averiguar novas escavações.

 

Muitas roupas e objetos de possíveis vítimas foram encontrados no local - Foto Reprodução G1
Muitas roupas e objetos de possíveis vítimas foram encontrados no local – Foto Reprodução G1

A Polícia Civil retirou seis corpos da casa do pintor de parede Jorge Luz Morais de Oliveira, preso na sexta-feira (25), acusado de matar um jovem homossexual, na Favela Alba, no Jabaquara, Zona Sul de São Paulo, segundo o Bom Dia Brasil. Foram familiares de uma mulher desaparecida que encontraram, por conta própria, nesta segunda-feira (28), novos restos mortais na casa do pintor.

Segundo a delegada Nilze Scapulatiello, do 35º Distrito Policial, roupas, calçados e ossos foram recolhidos da casa e levam à polícia a acreditar que pessoas tenham sido mortas e enterradas na casa do pintor.

“Tem homem, tem mulher, tem roupa de criança. Eu peguei todas as pessoas desaparecidas que eu tenho registro na área, pra informar, chamar parentes, reconhecer roupa, algum detalhes que não é pra nós, tem vários sapatos, sandálias, mas a família pode reconhecer”, disse.

Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi à casa do pintor na manhã desta terça-feira (29) para avaliar se novas escavações para buscas de outros restos mortais serão feitas. A polícia também encontrou fotos de seis pessoas na casa do pintor e vai investigar se elas estão desparecidas. Até agora, só o corpo do vizinho foi identificado.

O assassinato que levou à prisão do pintor ocorreu na noite da última quarta-feira (23), na residência dele, localizada na Rua Professor Francisco Emydio da Fonseca. Ele confessou que matou Carlos Neto Alves Júnior, de 21 anos, e decidiu se entregar após pedido da própria mãe. Depois da detenção, a polícia ainda encontrou ossos e restos mortais de outras possíveis vítimas na casa.

O local do crime já estava liberado pela polícia nesta segunda após a conclusão do trabalho da perícia. Os peritos, no entanto, não haviam recolhido os vestígios encontrados pela mãe e pela companheira da desaparecida.

A estudante Renata Christiana Pedrosa, de 33 anos, desapareceu em janeiro deste ano. Ela, que é homossexual, morava com uma companheira em um apartamento também na região do Jabaquara. Usuária de drogas, costumava comprar maconha para consumo próprio na favela onde o pintor vivia. Os dois, no entanto, não se conheciam, garante a família.

Desde o sumiço da filha, Maria de Fátima Pedrosa começou o que classificou como “trabalho de detetive” ao lado da nora. Juntas, elas deram início a uma busca em paralelo às ações da polícia. Como o último registro do GPS do celular de Renata apontava para a região da favela, elas decidiram concentrar os esforços na área.

A mãe conta que chegou até a encontrar com Jorge Luiz em um dos muitos dias de busca. Na oportunidade, perguntou pela filha e mostrou até uma foto ao pintor, que negou já tê-la visto por ali. Moradora do Rio de Janeiro, Maria de Fátima diz que está “fazendo plantão” em São Paulo desde o começo do ano. Quando ficou sabendo do caso pela TV, não teve dúvidas: foi novamente ao local.

Cansada de esperar pelo trabalho da polícia que, segundo ela, afirmava que Renata estava viciada em crack e morando na rua, na manhã de segunda-feira (28), ela e a nora compraram uma pá e decidiram entrar na casa do pintor para ver se encontravam alguma pista ou pertence da estudante.

Utilizando a ferramenta e também as próprias mãos, elas cavaram e vasculharam a residência até encontrar objetos, como calcinha e meias, e também restos mortais. Nenhum dos itens, no entanto, foi reconhecido pelos familiares como de Renata.

“Só vou acreditar [que a filha está entre as vítimas] se eu vir alguma coisa dela, ou o DNA, que ainda vai ser feito. Se eu vir o celular ou alguma joia que ela estava… Qualquer coisa assim. Até que me provem o contrário. O que escavamos foi pele, ossos de algum tempo. Nada que provasse que minha filha estava ali”, afirmou Maria de Fátima.

Fonte: Do G1 São Paulo

Confira também

Cidade tem 7 transplantes renais em 7 meses

Número é considerado ótimo pelo Centro Regional de Nefrologia de São José do Rio Pardo ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *