Início / Brasil & Mundo / Dólar turismo chega a passar de R$ 4,40 em casas de câmbio

Dólar turismo chega a passar de R$ 4,40 em casas de câmbio

O dólar vem batendo máximas em 12 anos e nesta segunda-feira (31) chegou a passar de R$ 3,68, pressionado por preocupações com a situação fiscal do Brasil e temores de que o país possa perder seu selo de bom pagador com projeção de déficit primário no Orçamento de 2016, mesmo após o Banco Central reforçar sua intervenção no câmbio.

estados-unidos-de-america-el-dolar-estadounidense-jackson-bill_3228155
Dólar comercial vem batendo o maior valor em 12 anos, valores pesquisados pelo G1 variam de R$ 3,80 a R$ 4,42.

Em 27 de agosto do ano passado, o dólar era vendido a R$ 2,26. Em 1º de janeiro, já estava em R$ 2,65. Em um ano, a moeda norte-americana tem 57% de valorização.

Essa forte alta reflete na cotação nas casas de câmbio, que vendem o dólar turismo, valor que é sempre maior que o divulgado no câmbio comercial.

O G1 pesquisou o preço para o valor de US$ 1 mil em 5 casas de câmbio na tarde desta segunda.

Na Tov Corretora, o dólar em espécie estava R$ 3,80 e no cartão pré-pago, R$ 4 (com IOF). Na Treviso, eram de R$ 3,82 e R$ 3,98, respectivamente. Na Vip’s Turismo e Câmbio, eram R$ 3,83 e R$ 4,42. Na Fair Corretora de Câmbio, de R$ 3,81 e R$ 4,04. E na Cotação, de R$ 3,86 e R$ 4,05. Os preços ainda podem variar durante o dia.

Por que o dólar de turismo é mais caro?
O dólar de turismo, também usado por consumidores para comprar algo no exterior ou mesmo quando importam produtos de outros países, é mais caro que o dólar comercial – usado pelas empresas e bancos para as outras transações realizadas no mercado de câmbio, como exportação, importação e transferências financeiras.

O preço pago pelo dólar leva em consideração os custos administrativos e financeiros. Segundo o Banco Central, a taxa de câmbio pode variar de acordo com a natureza da operação, da forma de entrega da moeda estrangeira e de outros componentes tais como valor da operação, cliente, prazo de liquidação etc. Como os consumidores compram volumes menores que as empresas e outros bancos, esses custos tendem a ser maiores.

 

Fonte: g1.globo.com

Confira também

Amigos do Rio Pardo: grupo lançará Jornada de Negócios na FER

JONN será promovido pelas empresas 88 Mais FM, Difusora AM e Gazeta do Rio Pardo ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *